DestaquePolicialRegião

Pai e padrasto presos pela Polícia Civil em Andradina acusados de abusar de irmãs

Acatando ordem judicial, a Delegacia de Defesa da Mulher prendeu nesse fim de semana os pintores Jorge Alves, o Capim, 59, e Washington Charles Santos Otone, o “Dentinho”, 35, acusados de estupros de vulnerável. As vítimas são duas irmãs de 4 e 5 anos. Ambos estão na cadeia em Pereira Barreto.

Os abusos foram descobertos porque agentes da Rede de Proteção constataram situações anormais durante atendimento domiciliar na casa das crianças, no Pereira Jordão – e denunciaram as suspeitas ao Conselho Tutelar. Capim se separou da mãe das crianças cerca de 18 meses atrás.

Constatados os abusos, as irmãs foram encaminhadas a um abrigo, sob tutela do município. Protegidas, ambas contaram que eram submetidas a atos libidinosos pelo pai.

Agentes da DDM descobriram também que o padrasto delas, Dentinho, teria praticado atos mais graves ainda, como introduzir o dedo nas partes íntimas das meninas. Exames periciais estão sendo aguardados pela investigação. Segundo a polícia, Dentinho convivia com a mãe das crianças por um ano e meio.

PRISÃO DE CAPIM – Capim foi capturado na manhã de sexta-feira (14), por PMs e civis da DISE – Delegacia de Investigações Gerais. A princípio ele negou as acusações e acha que foi armação da ex-mulher e o atual companheiro dela, justamente Dentinho.

PRISÃO DE DENTINHO – Dentinho, que estava pernoitando em uma igreja evangélica localizada na rua Alexandre Salomão, centro. Foi preso no trajeto a pé da casa de um pastor e a referida igreja logo depois de jantar.

“Dentinho” negou o crime e afirmou que já teria fugido se tivesse cometido algo de errado por conta da repercussão do caso. Já no plantão disse que só se falaria em juízo. A delegada da DDM, Michele Miliorini, também preferiu não se pronunciar.

Uma outra irmã das crianças, de 8 anos, não quis ser submetida a exames de um médico legista, por isso não foi possível constatar se ela também foi vítima de um dos dois acusados. A Polícia Civil tem 30 dias para aprofundar as investigações e concluir o inquérito.

Com informações: Jornal Impacto

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios